Loading...

domingo, 24 de março de 2013

DIVERSIDADE CULTURAL









Trabalho de Sociologia sobre diversidade cultural, fotos de exemplo para a produção fotográficas dos alunos. Todos os alunos devem disponibilizar sua foto com boa resolução e deixar na sala de informática com a professora de informática. 

domingo, 2 de setembro de 2012

TRABALHO PARA ALUNOS DO TERCEIRO ANO




 

 

Sedução para o consumo

Uma re flexão filosófica sobre as influências comportamentais das práticas comunicativas na subjetividade do indivíduo regido pelos signos do ideário capitalista não pode se furtar em analisar criteriosamente os mecanismos publicitários da persuasão sobre as qualidades atribuídas aos produtos disponíveis no sistema de mercado no qual estamos inseridos. O grande motor da propaganda consiste na sua habilidade em estimular o indivíduo a consumir um dado produto, destacando-se as características que se julga como potenciais fontes de atração da percepção do indivíduo. As técnicas publicitárias geralmente associam a imagem do produto divulgado com elementos que não correspondem imediatamente ao objeto destacado, pois esse procedimento gera, na mentalidade do consumidor, a ideia de que, ao adquirir um produto específico, as qualidades supostamente contidas nesse produto serão assimiladas. O especialista em Comunicação Social, Gino Giacomini Filho, destaca que “a publicidade nasceu com o claro propósito de fomentar a transação econômica, principalmente diminuindo a resistência do consumidor”¹.

O consumidor caracterizado por seguir os normativos mandamentos publicitários, propagadores das imagens espetaculares de sucesso pessoal e pro- ssional, se encontra na obrigação de ser feliz, mas esse estado de beatitude não se concretiza da maneira esperada na vida cotidiana. Este é seu maior malogro, havendo assim uma descontinuidade entre aquisição de bens materiais e felicidade genuína. Conforme complementa Adriana Santos, especialista em Imagens e Culturas Midiáticas: “Cada vez mais, os meios de comunicação, não apenas sinônimos de troca de informação como também de publicidade e propaganda – acenam com maiores quantidades de objetos de desejo para os consumidores, fazendo com que, um dia, o paraíso e o bem-estar prometidos por tais produtos possam ser nalmente encontrados”².

Renato Nunes Bittencourt é doutor em Filosofia pelo PPGF-UFRJ, professor do curso de Comunicação Social da Faculdade CCAA e da Faculdade Flama e membro do Grupo de Pesquisa Spinoza & Nietzsche

O prazer existencial prometido pelo consumo de bens materiais não se encontra de modo algum imediatamente associado a esses, ainda que haja uma maciça campanha publicitária que promova o poder mágico desses bens como acessórios por excelência para que o consumidor conquiste o patamar de satisfação material esperado. Consumir é sempre uma atividade supressora do estresse; logo, por qual motivo não se aproveitar da sensação geral de instabilidade psíquica reinante nos agitados centros urbanos para se promover a comercialização dos diversos tipos de objetos disponíveis, revestindo-os com os efeitos espetaculares da propaganda? Vejamos o parecer crítico de Schröder e Vestergaard: “Mostrando gente incrivelmente feliz e fascinante, cujo êxito em termos de carreira ou de sexo – ou ambos – é óbvio, a propaganda constrói um universo imaginário em que o leitor consegue materializar os desejos insatisfeitos da sua vida diária”³.

Os critérios “morais” da sociedade consumista, herdeira do tecnicismo industrial, consistem na obrigação incondicional do indivíduo se apresentar publicamente como alguém plenamente capacitado a consumir, mesmo sem que isso resulte na realização de uma necessidade vital básica; com efeito, a lógica consumista faz da disposição de consumir coisas uma necessidade vital irrevogável. A doutora em crítica literária, Lucia Santaella, destaca que, “fascinado diante da miríade de estímulos, diante do espetáculo volátil das luzes, das imagens, dos cenários e das coisas, nas grandes cidades, o olhar moderno aprendeu a desejar o corpo enfeitiçado das mercadorias que, sacralizadas pela publicidade, cam expostas à cobiça por trás dos vidros reluzentes das vitrines.4O discurso da publicidade consumista se utiliza da insatisfação existencial do indivíduo para melhor dominá-lo, insu ando-lhe tendências heterônomas em relação ao seu apreço pelos bens materiais. Conforme destacam os sociólogos Philippe Breton e Serge Proulx, “a publicidade, se inserindo na problemática de marketing das empresas, tornou-se um mecanismo essencial para a organização da produção da demanda e das necessidades a preencher pelo consumo”5. A publicidade fabrica consenso para atender aos interesses do poder econômico, prosperando assim por meio das carências existenciais de cada indivíduo, que consomem sofregamente em nome de uma postulada “satisfação interior”. O sociólogo polonês, Zygmunt Bauman, argumenta com muita precisão que “a liberdade do consumidor signi ca uma orientação da vida para as mercadorias aprovadas pelo mercado, assim impedindo uma liberdade crucial: a de se libertar do mercado, liberdade que signi ca tudo menos a escolha entre produtos comerciais padronizados.”6


A aquisição de bens materiais
 traz não só a ilusão da felicidade, mas a “obrigação” de ser feliz. Promessas reiteradas da publicidade que não se concretizam ao não preencherem verdadeiramente o homem



A OBRA DE JEAN Baudrillard, A Sociedade de Consumo, discute o consumismo como mito que se transforma na nova moral do mundo moderno e como somos impelidos a consumir orientados pelos meios de comunicação

Torna-se tecnicamente impossível pensarmos em “liberdade de escolha” ou “liberdade individual” quando existe um mecanismo social, a publicidade, que cria, em nome de conveniências econômicas, demandas desiderativas que exigem da parte do consumidor a sua satisfação imediata, para que a paz psíquica se estabeleça em sua consciência. O comunicólogo francês, Abraham Moles, a rma que “o papel da agência de publicidade é, de um lado, manter as necessidades, e de outro, transformar os “desejos” em “necessidades”, na medida em que o indivíduo tenha uma margem de escolha imposta”7.

Os publicitários conhecem um campo de possibilidades de reações dos indivíduos diante de um produto e com a propaganda que é feita em torno dele. Detendo uma ampla percepção psicológica da afetividade do consumidor, o pro ssional da publicidade consegue elaborar um tipo de discurso que se encaixa perfeitamente nas aspirações pessoais da massa consumidora, levando-a ao pronto consumo da coisa divulgada na propaganda social, que é usualmente contextualizada em situações de prazer, de alegria, contando com a presença de pessoas belas e saudáveis.

Para o sociólogo e lósofo francês, Jean Baudrillard, “o narcisismo do indivíduo na sociedade de consumo não é fruição da singularidade, é refração de traços coletivos” 8. Tal colocação desmisti ca o discurso ideológico da publicidade que apregoa a capacidade mágica de singularização do ser humano por meio da aquisição dos produtos revestidos de uma aura soteriológica, capaz de libertar o consumidor de sua mediocridade existencial. Marilena Chaui destrincha esse paradoxo ideológico da moral publicitária, argumentando que “a propaganda tenta garantir ao consumidor que ele será, ao mesmo tempo, igual a todo mundo e não um deslocado (pois consumirá o que os outros consomem) e será diferente de todo mundo (pois o produto lhe dará uma individualidade especial)”9.

Os meios de comunicação, seja rádio, internet ou tv cada vez mais se prestam aos desígnos da publicidade, com enxurradas de propagandas a todo o momento

É impossível negarmos a inexistência de qualquer responsabilidade social dos agentes publicitários, especuladores dos desejos coletivos, em forjar novas demandas consumistas, como forma de pretensamente outorgar aos consumidores tanto uma sensação de pertencimento social quanto de status quo. Para o sociólogo, Don Slater, “as pessoas compram a versão mais cara de um produto não porque tem mais valor de uso do que a versão mais barata (embora possam usar essa racionalização), mas porque signi fica status e exclusividade; e, claro está, esse status provavelmente será indicado pela etiqueta de um designer ou de uma loja de departamentos”10.

A sociedade de consumo faz com que os indivíduos, psicologicamente massi cados pela ideologia mercantilista apregoada pela publicidade comercial, atuem de maneira heterônoma no tocante ao ato de aquisição dos gêneros ofertados, o que resulta no curioso caso de que muitas vezes os indivíduos adquirem os produtos à disposição do mercado consumidor em decorrência direta dos estímulos externos transmitidos pelos mecanismos midiáticos. O desenvolvimento das técnicas do neuromarketing, dispositivo comunicacional caracterizado pelo uso de mecanismos subliminares na divulgação da propaganda é um dos fatores que geram a criação arti cial de demandas consumistas nos indivíduos seduzidos pelas imagens prometedoras do gozo existencial mediante o usufruto do produto divulgado. Uma pergunta se torna imprescindível: comprovando-se a propaganda subliminar, é possível pensarmos na ideia de liberdade de escolha do consumidor? O consultor corporativo dinamarquês, Martin Lindstrom defende a ideia de que em breve um número cada vez maior de empresas vai se esforçar para manipular medos e inseguranças a respeito de nós mesmos para nos fazer pensar que não somos su cientemente bons, que se não comprarmos um determinado produto, estaremos de alguma forma perdendo algo.11 A in nidade de impulsos inconscientes em busca de satisfação, manipulados com maestria pelo sistema publicitário, pode ser considerada como a motivação ao ato de comprar através desses estímulos da propaganda, mantendo-se, todavia, uma distância muito estreita entre desejo e gozo.




É IMPOSSÍVEL NEGARMOS A INEXISTÊNCIA DE QUALQUER RESPONSABILIDADE SOCIAL DOS AGENTES PUBLICITÁRIOS, ESPECULADORES DOS DESEJOS COLETIVOS, EM FORJAR NOVAS DEMANDAS CONSUMISTAS



A sensação de pertencimento do status quo muitas vezes se dá pela aquisição do material que está atrás das vitrines reluzentes e sedutoras

Diante da in nidade de produtos disponíveis no mercado, o indivíduo economicamente viável não é capaz de ater sua atenção para apenas um objeto, excitando-se assim com a miríade de marcas que utuam perante sua consciência submetida aos efeitos sedutores dos gêneros de consumo. A mente do indivíduo, imersa na realidade espetacular das imagens impactantes, somente consegue deter sua preciosa atenção para os produtos acompanhados de promessas de felicidade instantânea e envernizados pelo palavreado demagógico da propaganda.

Na dimensão comercial da sociedade capitalista, quem promove a exaltação mágica dos produtos é a publicidade, que reveste com propriedades especiais os objetos destinados para compra, em uma relação nitidamente fetichista, conforme a acepção marxista: uma relação social de nida, estabelecida entre os homens, assumindo a forma fantasmagórica de uma relação entre coisas12. O produto alardeado pela publicidade dos meios de comunicação de massa deixa de ser algo puramente material, utilitário, e se torna algo dotado simbolicamente de vida própria, granjeando a simpatia e adesão do consumidor, que deposita em tal produto a oportunidade de obter a sonhada felicidade.

O indivíduo que recebe essas informações é levado a acreditar que, se ele consumir esse produto, ele também será feliz e bonito, tal como veiculado pelo garoto- -propaganda. Para o lósofo francês Gilles Lipovetsky, “a sedução tomou o lugar do dever, o bem-estar tornou-se Deus, e a publicidade é seu profeta. O reino do consumo e da publicidade exprime muito bem o sentido coeso da cultura pós-moralista. Assim, as relações entre os homens cam sendo sistematicamente menos simbolizadas e apreciadas do que as relações entre os homens e as coisas”13.

O sociólogo polonês alertou para a falsa sensação de liberdade do consumidor, que tem à disposição apenas produtos padronizados previamente aprovados pelo mercado

A relação sedutora produzida pelo sistema das mercadorias apresentadas ostensivamente na experiência cotidiana, operada pelo ardil publicitário, pretende justamente exigir de cada indivíduo o consumo dos produtos maravilhosamente expostos nos grandes altares comerciais, as prateleiras, as vitrines, os mostruários, fazendo com que o consumidor se relacione com tais produtos a partir de uma experiência devocional secularizada. Tal situação, que se encontra na base da grande maioria das atividades publicitárias, é merecedora de uma série de re exões sobre as implicações éticas da propaganda social e da sua capacidade de in uenciar na tomada de decisão dos gostos individuais. A nal, o consumo de um dado produto pode até proporcionar ao indivíduo um estado de bem-estar, mas isso não fará desse consumidor a pessoa extraordinária que a campanha publicitária apregoa de forma tão enfática. Para a psicanalista Maria Rita Kehl, “a aliança entre a expansão do capital e a liberação sexual fez do interesse das massas consumidoras pelo sexo um ingrediente e ciente de publicidade. Tudo o que se vende tem apelo sexual: um carro, um liquidi cador, um comprimido contra dor de cabeça, um provedor de internet, um tempero industrializado. A imagem publicitária evoca o gozo que se consuma na própria imagem, ao mesmo tempo em que promete fazer do consumidor um ser pleno e realizado. Tudo evoca o sexo ao mesmo tempo em que afasta o sexual, na medida em que a mercadoria se oferece como presença segura, positivada no real, do objeto de desejo”14.

A PUBLICIDADE É MERECEDORA DE
  REFLEXÕES SOBRE IMPLICAÇÕES ÉTICAS DA SUA
 CAPACIDADE DE INFLUENCIAR NA TOMADA
 DE DECISÃO DOS GOSTOS INDIVIDUAIS



Certamente é muito difícil suprimirem-se essas falácias subjacentes ao discurso publicitário, pois que este depende, sobretudo, desse sistema de ilusões. Com efeito, se fossem extirpadas as falsas promessas dos produtos defendidos pela propaganda, esta praticamente se extinguiria. Para o lósofo e teólogo espanhol, Niceto Blázquez, “a publicidade é praticada como uma retórica contrária à liberdade interior dos potenciais compradores mediante o recurso franco às técnicas persuasivas mais e cazes. Como serviço de informação comercial é muito conveniente e útil. Mas até que ponto é eticamente lícito condicionar a liberdade alheia como meio para lucrar, embora oferecendo produtos e serviços necessários?”15.


Enquanto a publicidade padroniza, ela tenta também fazer o consumidor ter
 a sensação de ser diferente entre os demais,
 com uma falsa sensação de individualidade especial

Para aqueles que não conseguem participar desse culto materialista regulado pelas trocas econômicas, resta o desprezo e a exclusão social proveniente da impossibilidade de participação na valoração identitária de um dado grupo. A sociedade de consumo, caracterizada por seu sectarismo excludente, não aceita a presença dos indivíduos imputados como economicamente inviáveis.


PERSUASÃO DO BEM?

A infinidade de marcas e tipos de produtos contribuiu ainda mais para a exacerbação do consumo. Há que se pensar em publicidade não apenas como um ato de divulgação objetivo

Na estrutura capitalista em vigor seria tecnicamente impossível pensarmos na delimitação da atividade publicitária apenas ao ato de divulgação pura objetiva dos produtos, sem quaisquer outros oreios discursivos e imagéticos visando o encantamento do consumidor. A publicidade e sua extensão propagandística, para se sustentarem comercialmente, necessitam da existência desse suporte retórico e espetacular com o qual os produtos são adornados. Por conseguinte, trata-se de uma falácia ideológica o discurso de defesa da publicidade que apregoa a ideologia segundo a qual a propaganda não “obriga” o consumidor a adquirir o produto alardeado. O próprio fato de a publicidade revestir os produtos propagandeados com qualidades inexistentes, visando conquistar a adesão do consumidor, retrata o seu falseamento dessa relação. Os objetos possuem apenas qualidades funcionais, técnicas, nada mais do que isso: qualquer outro acréscimo é apenas projeção psicológica do próprio consumidor, que deposita extrema con ança na capacidade “soteriológica” do produto em lhe proporcionar um satisfatório estado de gozo a partir da sedução publicitária original que promete tais benesses ao usuário. Portanto, a manutenção da vida vazia do indivíduo alienado de si na sociedade capitalista é potencializada pelo sistema publicitário, braço comercialista dos meios de comunicação. Obviamente não há uma coerção concreta exigindo o ato de consumo, mas existe a coerção simbólica que requer do indivíduo sua participação econômica nessa lógica comercial, para que ele possa assim ser aceito nos padrões sociais de comportamento.

Em linhas gerais, a proposta desse texto não consistiu em demonizar a atividade publicitária, mas proporcionar uma análise crítica sobre os seus efeitos existenciais e comportamentais nos indivíduos, promovendo assim um razoável esclarecimento sobre as suas técnicas comunicativas de persuasão.


¹GIACOMINI FILHO, Consumidor versus propaganda, p. 14.
²SANTOS, Os meios de comunicação como extensões do mal-estar, p. 67
³SCHRÖDER & VESTERGAARD, A linguagem da propaganda, p. 179
4SANTAELLA, Corpo e Comunicação – sintomas da cultura, p. 116.
5BRETON & PROULX, Sociologia da Comunicação, p. 111
6BAUMAN, Modernidade e ambivalência, p. 277.
7MOLES, O Cartaz, p. 121.
8BAUDRILLARD, A Sociedade de Consumo, p. 96
9CHAUI, Simulacro e Poder: uma análise da mídia, p. 38.
10SLATER, Cultura do consumo e modernidade, p. 156.
11LINDSTROM, A lógica do consumo, p. 172.
12MARX, O Capital, I, v. 1, p. 81
13LIPOVETSKY, A sociedade pós-moralista, p. 31-32.
14KEHL, Sobre ética e psicanálise, p. 189.
15BLÁZQUEZ, Ética e meios de comunicação, p. 604.


TRABALHO DE FILOSOFIA PARA TERCEIRO ANO
  1. FAZER A LEITURA DO TEXTO.
  2. ANALIZAR AS QUESTÕES APRESENTADAS PELO AUTOR.
  3. ELABORAR UM TEXTO PARA  APRESENTAR AS CONSIDERAÇÕES FEITAS PELO ALUNO.
  4. DATA DE ENTREGA DO TRABALHO 15/09/2012.
  5. TRABALHO INDIVIDUAL E ENVIAR POR E-MAIL COMO COMBINADO.

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

RAZÕES E RAZÃO: Tema de aula 2º anos


É muito conhecida a celebre frase de Pascal, filósofo francês do século XVII:
 "O coração tem razões que a razão desconhece".
 
Razões e Emoções Nx Zero
Dizer, o que eu posso dizer
Se estou cantando agora
Pra você
Ouvir com outra pessoa

É que às vezes acho
Que não sou o melhor
Pra você
Mas às vezes acho
Que poderíamos ser
O melhor pra nós dois
Só quero que saiba

Entre razões e emoções
A saída
É fazer, valer a pena
Se não agora
Depois não importa
Por você,
Posso esperar

Sentir, o que posso sentir
Se em um segundo tudo acabar
Não vou ter como fugir

É que às vezes acho
Que não sou o melhor
Pra você
Mas às vezes acho
Que poderíamos ser
O melhor pra nós dois
Só quero que saiba

Entre razões e emoções
A saída
É fazer, valer a pena
Se não agora
Depois não importa
Por você,
Posso esperar
Posso esperar

Entre razões e emoções
A saída
É fazer, valer a pena
Se não agora
Depois não importa
Por você!
Posso esperar

(Isso vai passar)
Entre razões e emoções
A saída
(Tudo vai melhorar)
É fazer, valer a pena
(Isso vai passar)
Se não agora
Depois não importa
(Tudo vai melhorar)
Por você!
Posso esperar
Posso esperar
Posso esperar
Posso esperar

atividade proposta em sala.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

TRABALHO DE SOCIOLOGIA DO 2º ANO DO ENSINO MEDIO






















Os alunos dos 2º 06 e 2º 07 da Escola de Ensino Medio Dep. Nagib Zattar realizaram pesquisa e trabalho sobre grupos sociais, suas identidades e sobre as tribos urbanas. No final eles realizaram o dia da caracterização, onde cada um teria que se vestir conforme a tribo que eles escolheram para apresentar.